Museu do Quartzo

O Museu do Quartzo localiza-se no Monte de Santa Luzia, sobre a cratera resultante da exploração de quartzo neste local, Foto 1.

Museu do Quartzo (Viseu)

Foto 1 –  A exploração do quartzo no Monte de Santa Luzia, pela Companhia Portuguesa de Fornos Elétricos de Canas de Senhorim, entre 1961 e 1986, teve como resultado um enorme rasgão na paisagem. O escarpado deixado pela exploração revela um filão de quartzo leitoso, associado aos granitos do final da Era Paleozoica, com cerca de 280 milhões de anos.

O Museu do Quartzo, é um centro interpretativo de exploração do património geológico e natural. Com uma forte vertente pedagógica e visitas adaptadas às várias faixas etárias, este é um espaço interessante no âmbito da aprendizagem da geologia, do património natural e da sua proteção e preservação.  O primeiro piso disponibiliza um auditório, uma sala de estudo e uma biblioteca. O piso superior do edifício conta com uma exposição denominada “A tua casa – O teu Reino Mineral” onde se pretende dar a conhecer a aplicação dos recursos minerais no dia-a-dia. Dispõe também de uma área adaptada para experimentação pedagógica e um espaço para os mais pequenos – “Rochas, Rochinhas, Minerais e Miúdos”.

Quartzo como recurso geológico

O nome deriva de uma palavra alemã: Quarderz! Este termo provém da gíria mineira germânica, que significa ganga, nome dado ao quartzo leitoso sem interesse económico associado aos minérios.

Outrora muito utilizado na indústria eletrometalúrgica nacional para a produção de Fe-Si e Si, o quartzo entrou num novo ciclo, mais complexo devido à heterogeneidade dos mercados, das suas aplicações nas tecnologias modernas e nos minerais que aparecem associados como é o caso do berilo.

A composição química do quartzo é SiO2, e cristaliza no sistema trigonal, Foto 2. Os seus cristais são, em geral, transparentes ou hialinos, brancos, ou branco-leitosos. A presença de impurezas (ferro, manganés, titânio) dá ao quartzo tonalidades diferentes (amarela, rosa, violácea, cinzenta ou preta). É um mineral alocromático, isto é, a cor destes minerais está relacionada com a presença de elementos químicos, em pequenas quantidades, na estruturas cristalina, e que não fazem parte da sua composição química fundamental. Estes minerais são incolores quando quimicamente puros.

Museu do Quartzo (Viseu) Formas -2

Foto 2 – Formas cristalinas típicas do quartzo.  A sílica, na natureza, apresenta-se em formas cristalinas, microcristalinas ou criptocristalinas, podendo ocorrer como quartzo, tridimite, cristobalite, calcedónia (que inclui ágata, ónix, chert, jaspe e opala). A coesite e a stishovite, duas fases de alta pressão, foram encontradas em quantidades muito reduzidas na cratera do meteorito do Arizona (Meteor Crater) tendo sido encontrada coesite num quimberlito (rocha ígnea plutónica vulgarmente conhecido como a rocha que contêm diamantes) na África do Sul.

O quartzo é fonte de silício. Este elemento químico é o segundo  mais abundante da crusta terrestre, logo a seguir ao oxigénio, de tal modo que, devido à sua afinidade com ele, no estado nativo, apenas ocorre na natureza em condições muito especiais. O silício no estado puro é uma substância de baixa densidade, de cor prateada e que que possui uma aparência semimetálica lustrosa.

A sílica é essencial em algumas espécies como as diatomáceas e esponjas, que a utilizam para fazer os seus esqueletos. A sílica é também importante para o crescimento dos ossos, pelo menos para os ratos e galináceos e também para os humanos.

Aplicações do quartzo

As aplicações do quartzo e dos produtos seus derivados são bastantes variadas. Os setores da metalurgia, dos abrasivos, dos refratários e dos cerâmicos são os mais importantes.

O quartzo pertence ao grupo de materiais designados por dielétricos, ou seja, não conduzem corrente elétrica mas que permitem que campos elétricos sejam criados e que os atravessem. O quartzo apresenta o efeito piezoelétrico que se traduz no facto de uma placa de quartzo resultante de corte segundo determinada direção poder ser deformada mecanicamente numa extremidade, criando-se uma carga elétrica na extremidade oposta. Este fenómeno desaparece logo que cessa a pressão exercida. Os”chips” são preparados pela produção, em primeiro  lugar, de cristais de silício ultrapuros e, depois, pela introdução nestes cristais de quantidades de determinadas de certos elementos químicos de modo a produzirem-se as propriedades elétricas desejadas. Outra aplicação do silício é em fotocélulas ou células solares nas quais finas camadas de silício, quer na forma de cristais individuais, quer na forma de filmes de silício amorfo, juntamente com outros compostos, transformam a luz diurna em energia elétrica.

O SiC possui possui inúmeras aplicações incluindo cerâmicos técnicos, reforço de plásticos e tratamento de superfícies, na forma de pós finos, fibras ou revestimentos. Fibras de SiC são também incorporadas em certos vidros, plásticos, resinas e produtos metálicos para aumentar a resistência mecânica dos materiais.

Génese do quartzo

Devido à enorme abundância do quartzo e à sua estabilidade química, este silicato ocorre em númerosos ambientes geológicos destacando-se os seguintes: quartzo filoniano e de pegmatito, quartzo de areia, cascalho e seixo, quartzo de quartzito, chert, sílex e lidito.

Em Portugal existe quartzo de excelente qualidade oriundo de filões quartzosos e pegmatíticos, relacionados essencialmente com granitos, localizados na sua maioria no norte do país. As principais ocorrências concentram-se nos distritos de Viseu, Guarda, Braga, Vila Real e no Porto.

Na atualidade, um dos corpos pegmatíticos mais importantes do ponto de vista geoeconómico como geológico-mineralógico é o da Senhora de Assunção, no concelho de Aguiar da Beira. O quartzo neste corpo aparece associado ao berilo. Este mineral é usado nas indústrias, aeroespacial e militar devido à sua elevada resistência, baixa densidade e estabilidade dimensional sob uma larga gama de temperaturas (permite ser usado em estruturas de satélites, travões de aviões, bem como em reatores nucleares).

Álbum de fotos do museu do quartzo e fotogaleria de quartzo pode ser consultado no link: Álbum de fotos pode ser consultado aqui.

Fontes consultadas:

https://www.palimage.pt/obra/recursos_geologicos_de_portugal/

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s