Björn Lomborg e o aquecimento global

Em Abril de 2007 foi publicado em Portugal o segundo livro do dinamarquês Björn Lomborg.  De fácil leitura, este livro provocador defende que muitas das acções que estão a ser tomadas em consideração para travar o aquecimento global vão custar centenas de biliões de dólares. Além disso, são frequentemente baseadas em factores emocionais e não estritamente científicos e, provavelmente, vão ter pouco impacto na temperatura do planeta. Em vez de começarmos pelos processos mais radicais, Lomborg defende que, primeiro que tudo, devemos concentrar os nossos recursos em preocupações mais imediatas, tais como a luta contra a malária ou a SIDA e assegurar uma reserva segura de água potável.

Se nos conseguirmos acalmar, é provável que deixemos o século XXI com sociedades mais fortes, sem níveis extremos de morte, de sofrimento e de perda e com muitas nações mais ricas, com oportunidades inimagináveis, num ambiente mais limpo e saudável.

Um segundo livro, na realidade o primeiro deste economista, O Ambientalista Céptico, é mais “pesado”. Muito ao gosto de Al Gore, temos gráficos atrás de gráficos e estatística, muita estatística. Escrito no final da década de 90, este professor de estatística e auto-proclamado ambientalista decidiu examinar muitas das teorias ambientalistas. Björn Lomborg e os seus alunos de estatística começaram a investigar os dados nos quais os ambientalistas baseavam as suas sombrias previsões de desastre ambiental. De acordo com todos os pontos de vista, Lomborg descobriu que o estado da humanidade e da Terra tinha melhorado gradualmente, e de forma notória, nos últimos cem anos. Em média, as pessoas vivem mais tempo, são mais saudáveis, melhor alimentadas e têm vidas mais prósperas do que antes. Muitas doenças foram erradicadas, e os crescente desenvolvimento dos mercados livres no mundo levou a um uso mais eficiente dos recursos naturais. Neste livro, Lomborg deixa claro que existe espaço para melhoramentos, em muitas áreas. Mas a mensagem principal “de que as coisas estão a piorar” está completamente errada.

(…) A ideia central deste livro é que não devemos deixar para as organizações de defesa do meio ambiente, os lobbies ou órgãos de informação apresentem verdades e prioridades unilaterais. Ao contrário, devemos lutar para a cuidosa verificação democrática do debate sobre o meio ambiente, conhecendo o verdadeiro estado do mundo. (…)

(…) se quisermos tomar as melhores decisões para o nosso futuro, não devemos basear as nossas prioridades no medo, mas em factos. Assim, precisamos confrontar os nossos medos; precisamos desafiar a ladainha. A ladainha baseia-se em mitos, embora muitos desses mitos possam ser propagados por pessoas bem-intencionadas e compassivas. É difícil não ter a impressão de que as críticas brandidas por Al Gore não passam de uma expressão do nosso sentimento religioso de culpa. (…) Lomborg

2 respostas a Björn Lomborg e o aquecimento global

  1. gisele diz:

    Li a revista e achei muito interesante a idéia de usar a técnologia para reutilizar o lixo…e ajudar o meio ambiente.
    As idéias sobre o meio ambiente deveriam ser mais propagadas pois é um assunto de urgência. Concordo com Lomborg.

  2. Mauro diz:

    Bjorn Lomborg está absolutamente correto,para vencer a praga
    do aquecimento global necessitamos racionalizar o problema,
    enfim conter as emissões de poluentes de uma maneira precisa
    e racional.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: