Boas Festas e Feliz 2009 !

Dezembro 20, 2008

arvore-de-natal

Anúncios

Extremófilos

Dezembro 18, 2008

Em 1974  R.D. MacElroy utilizou o termo extremófilo para designar microrganismos que proliferam em ambientes extremos e inóspitos, ambientes estes que são letais à maior parte dos seres vivos, como por exemplo, regiões polares, fontes hidrotermais, nascentes ácidas ou alcalinas, lagos com níveis de salinidade muito elevados, regiões abissais frias ou zonas abrangidas por radiações com níveis elevados.

Em 1977, uma expedição da National Oceanic and Atmosferic Administration (NOAA, EUA) a bordo do submarino Alvin, às profundezas do oceano Pacífico, a 500 quilómetros a nordeste das ilhas Galápagos, encontrou o inesperado.

À profundidade de aproximadamente 2500 metros, em volta de chaminés hidrotermais proliferavam inúmeras espécies vivas, desde camarões cegos a outras estranhas formas de vida, até bactérias, todas prefeitamente enquadradas num meio sujeito a uma pressão de 250 quilogramas por centrímetro quadrado e temperaturas superiores a 100ºC. Eram seres extremófilos.

Esta descoberta mudou para sempre o modo de encarar o nosso planeta e a própria vida nele existente. Veio reacender a possibilidade de que a Vida exista ou tenha existido noutros lugares do Universo antes considerados inapropriados.

As fontes hidrotermais são constituídas pelas chaminés que se encontram na zona de separação de placas tectónicas, onde circula a água. O fundo oceânico possui numerosas fissuras, através das quais as águas entram em contacto com as rochas quentes, formadas recentemente a partir dos magmas. A água desce através das fissuras e atinge temperaturas muito elevadas. Aquecida sobe e arrasta consigo vários metais das rochas circundantes, formando nascentes ou fontes. Quando emerge no fundo do oceano, o fluido é rico em metais e em torno da abertura deposita um resíduo sólido que forma uma autêntica chaminé. Esta chaminé fumega sem parar criando condições para o desenvolvimento de um estranho ecossistema

Na base da cadeia alimentar aparecem bactérias que obtêm a sua energia vital a partir da oxidação de sulfuretos, presentes nos fluidos que emergem nas chaminés submarinas. Alimentando-se destas bactérias, aparecem vermes e moluscos bivalves gigantes. Estranhas espécies de camarões e caranguejos e outros animais complexos surgem no fim da cadeia alimentar.

Fontes : Origem da Vida, Ilda Dias e Hernâni Maia. Escolar Editora;  A Biosfera profunda e quente. Thomas Gold. Via Óptima.

Outros links:

 http://transgenicosintocaveis.blogspot.com/2008/07/obteno-de-matria_12.html


Cortes Geológicos

Dezembro 13, 2008

Os chamados «cortes geológicos» podem conter uma quantidade imensa de informação, embora determinar as relações temporais, entre as várias unidades rochosas pode ser um verdadeiro quebra-cabeças.

Mas como é possível reconstituir, a partir de simples calhaus, uma história acerca de algo que aconteceu há mais de dois mil milhões de anos? perguntava-me à dias um aluno de sétimo ano.

A verdade é que interpretar os indícios exige conhecimentos profundos de geologia, para além de muita experiência na reflexão sobre as rochas, manuais de datações absolutas, etc… mas! alguns elementos básicos, contudo, são bastante simples, sendo na verdade apenas aplicações do senso-comum. E foi esse senso comum que Darwin aplicou na viagem no Beagle. Mas ele aplicou princípios que outros naturalistas tinham aplicado antes, Steno, Hutton e Lyell apenas para citar os mais importantes.

Senso-comum! Veja-se o exemplo do tempo! Pelo menos o tempo  relativo, isto é saber se uma rocha ou formação rochosa é mais antiga ou mais recente do que as suas vizinhas, pode muitas vezes ser deduzido de forma muito simples. Por exemplo:

  • numa sequência de sedimentos, os depósitos mais antigos estão geralmente por baixo e os mais recentes por cima.
  • noutras rochas, as relações de contacto são muitas vezes a chave: se um corpo ígneo, ou uma falha, corta outra formação rochosa, o acidente é claramente mais recente do que aquelas formações.

São exemplos simplistas? Pois a verdade, é através deles que muitas vezes os geólogos conseguem deduzir as idades relativas, mesmo em situações de grande complexidade. Só quando esta tarefa está concluída é que podemos reconstituir a sequência correcta dos factos geológicos.

Vamos a um exemplo : Procura resolver este quebra-cabeças.

corte-geologico

Vamos ver a solução? Já conseguiste resolver?

A. Depósito de sedimentos, depois metamorfismo e enrrugamento (dobramento).

B. Intrusão de magma granítico nos sedimentos metamorfizados.

C. Desenvolvimento de uma superfície de erosão nas unidades A e B, por meteorização da superfície terrestre (o que indica que A e B foram elevadas, uma vez  que tanto o metamorfismo de A como a intrusão de B ocorreram no interior da crosta)

D e F.  Depósito de camadas sedimentares por acção de um curso de água.

G. Desenvolvimento de uma falha (note-se que a falha não corta as unidades mais novas do que F, estando agora inactiva)

H. Nova superfície de erosão (note que, uma vez que as unidades D, E e F, como todos os sedimentos estavam horizontais quando foram depositadas, toda esta área foi basculada antes da erosão.Pode ter havido um grande intervalo de tempo entre F e I)

I-K. novos depósitos de unidades sedimentares;

L. Intrusão de um corpo rochoso ígneo, provavelmente responsável pela alimentação de fluxos de lava à superfície, que têm vindo a ser erodidos.

M. superfície actual, produzida pela erosão.

Ufa! o que nos pode contar um simples corte geológico numa barreira da estrada.

E se tiver fósseis?- pergunta-me um aluno lá na última fila. Bem, aí a história tem um outro complemento, mas esse tema fica para a próxima aula, onde vamos falar de fósseis de idade e fósseis de fácies.

Texto adaptado de “Uma História (Breve) do Planeta Terra – J.D. Macdougall.

Uns cortes geológicos em animação, querem ver?

no meu sítio

Discordâncias