Portugueses investigam fontes hidrotermais submarinas no Oceano Árctico

Esta interessante missão pode ser seguida em :

http://www.portalpolar.com/index.php?option=com_content&task=view&id=158&Itemid=284

Uma equipa de investigadores portugueses participa, até final do mês, numa missão no Oceano Árctico, onde foram descobertas fontes hidrotermais submarinas, informou hoje a Reitoria da Universidade de Lisboa.

A missão destina-se a estudos da crista oceânica na Crista Média Atlântica – num segmento (South Knipovich Ridge) onde foram encontradas fontes hidrotermais submarinas, a profundidades da ordem dos 2.500 a 3.000 metros – e visa explorar melhor a região, para preparar uma futura expedição de perfuração do fundo.

A intenção da perfuração é conhecer a crosta abaixo do fundo do mar, a população de micróbios que vive no interior dessa crosta (a designada biosfera profunda) e eventuais depósitos minerais, revela a Universidade de Lisboa.

O projecto inclui, além da equipa portuguesa, investigadores da Noruega, Suécia, Suíça e França.

Os cientistas pretendem analisar os minérios a descobrir (nomeadamente sob a forma de chaminés hidrotermais) bem como partículas hidrotermais dispersas nos sedimentos e estudar os sedimentos química e mineralogicamente.

O objectivo deste procedimento é detectar eventuais “condições favoráveis ao desenvolvimento da biosfera profunda e de sinais de actividade hidrotermal escondida sob os sedimentos”.

“Colher amostras de rochas vulcânicas que possam conter inclusões fluidas de magma aprisionado durante a formação das rochas” é outra das metas desta iniciativa.

Segundo comunicado da Universidade de Lisboa, “a biosfera profunda, um dos principais objectivos do projecto, é uma das maiores descobertas da ciência das últimas décadas”.

“Temos hoje a percepção de que a biomassa dos micróbios que constituem este verdadeiro submundo de ‘intraterrestres’ é comparável à da biosfera convencional, facto de que não se tinha qualquer conhecimento há uma década atrás”, acrescenta a nota de imprensa.

A missão está dividida em duas partes, uma primeira, que teve início em Tromso, no Norte da Noruega, a 29 de Junho e que decorreu até à passada quinta-feira.

Neste primeira etapa participaram os portugueses Fernando Barriga, director do Museu Nacional de História Natural, professor do Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e coordenador da parte portuguesa do projecto, e Rita Fonseca, docente na Universidade de Évora e directora do AmbiTerra, um laboratório especializado em análises de solos e sedimentos, com um pólo em Évora e outro em Lisboa.

Na segunda parte, que teve início sexta-feira também em Tromso e termina no dia 29 em Bodo (Noruega), estão presentes os doutorandos Álvaro Pinto, técnico superior de Mineralogia e Geologia do Museu Nacional de História Natural – que ficará encarregue do estudo, sobretudo microscópico, dos edifícios hidrotermais que forem descobertos – e Ágata Dias, que estudará a componente hidrotermal dos sedimentos.

Participam ainda no projecto Jorge Relvas, professor de Recursos Minerais e Mineralogia do Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, sobretudo para o estudo dos edifícios hidrotermais, e Ana Filipa Marques, actualmente envolvida num projecto pós-doutoral com a Universidade de Toronto, onde se especializa no estudo de inclusões fluidas magmáticas.

Todos os investigadores pertecem igualmente ao Centro de Recursos Minerais, Mineralogia e Cristalografia, uma unidade de investigação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, integrada desde 2001 no laboratório associado Instituto de Pesquisa de Sistemas, e que desenvolve muitas actividades em parceria com o Museu Nacional de História Natural.

A missão decorre a bordo do navio oceanográfico norueguês G.O. Sars e utilizará um Veículo Operado Remotamente ARGUS, para profundidades até 6.000 metros, idêntico ao que está a ser adquirido pela Estrutura de Missão para Extensão da Plataforma Continental.

HSF.

Lusa/fim

Uma resposta a Portugueses investigam fontes hidrotermais submarinas no Oceano Árctico

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: